segunda-feira, 10 de julho de 2006

Mamãe vou pra Lua. Preciso de cuecas limpas


Sim vou embora.
Vou-me pra Pasárgada pois lá sou amigo do rei.
Nessa Terra nada vai me segurar.
Vou querendo que,
na Lua,
o tempo chegue a congelar.
A Terra que se exploda.
Eu não estou nem aí.
Preciso de cuecas limpas
pra poder partir.

Na Lua navegarei no Mar da Tranquilidade.
Na Lua eu não terei idade.
Andarei bem levemente.
Olharei um céu diferente.
Na Lua eu serei gente.
Na Lua eu serei cren...
Na Lua eu serei eu.

E um "eu" sem me importar com os outros.
Um "eu" Real.
Um "eu" que, aqui na Terra mamãe,
aparece só às vezes na embaixada lunar.
O "eu" astronauta que foi feito pra chegar ao céu.
Que montou sua casa entre as estrelas.
Que ouve nos cometas,
e no movimento dos planetas,
um som tão familiar.


Não não eu não sou daqui.
Eu sou de lá.


Quisera viver pra sempre na Lua mas ainda não é a hora.
Meu ticket de viagem já tem data de validade.

Pra cá retornarei ao final.
Com um espírito revigorado
por ter respirado
o ar da minha terra (lua) natal.

Ar que estará nos meus pulmões por semanas
mas que será subjugado
pelo oxigênio "pesado" que estou respirando.

Então só restarão as memórias e as fotos.
As músicas em volta da fogueira
e as conversas que mudarão as órbitas do cosmos.





Vou-me para a Lua que é onde deveria estar.






Domingo vou voltar

5 comentários:

neojoy disse...

poemas
poesias
pensamentos
porcarias

tatua disse...

gostei desse teu comentário, haha


hey, eu gosto mt desse poema...
vou me embora pra pasárgada, onde lah, sou amigo do rei...eh mt bonito. me lembra livros da minha infância.

imyra disse...

Ah... da hora seu coment!

Aaaah, dormi pensando em passagada.
Dormi pensando em fugir. Acordo, venho a esse blog e vejo a lua.
É sério, eu estava pensando em escrever uma carta de despedida a certos tipos de pensamentos... estranho, vir aqui e encontra justamente esse post.

Como já disse, ler esse blog sempre me lembra alguma coisa.
Só não me leve a mal com esse comentário...

Ana Fernandes disse...

tu nem sabe! (claro que não.. eu ainda não contei.) eu vou pro retiro!
nem esperava ir mais, mas recebi um telefonema da martinha me contemplando! uahuahuah

Antonio Carlos Junior disse...

Fala,
Desistir pra q? Nãããã!!
E esse poema aqui heim? Bandeira é o cara!!! Me amarro nesse poema!!!
Não se menospreze, o seu trabalho é muito bom e já disse: Ainda vou prestigiar o sua noite autográfos!!!
Abraços meu véi!!
Obrigado por visitar o meu blog!!