sábado, 23 de agosto de 2008

A perda da minha história

Aconteceu a alguns dias. Por motivos de falta de espaço tive que guardar minha memória em outro lugar. Com outra pessoa. Toda minha história foi confiada a outra pessoa que não era eu. Ou seja, um ato de muita confiança. Não só nessa pessoa como a simples confiança de que tudo ia dar certo no final. Que eu não precisava me preocupar. Que era algo normal e até certo ponto rotineiro. Sem problemas. Acabei deixando minha memória por lá mais tempo que deveria. Descaso talvez. Preguiça possivelmente.

Mas senti falta das minhas lembranças. De tudo o que representavam pra mim. Queria tê-las de volta e sentir novamente tudo o que já tinha sentido. Resolvi falar com minha guardiã para reaver o que era meu. Mas tragicamente era impossível. Um incêndio tinha destruído tudo o que era realmente importante pra mim. Minha vida se tornou cinzas. Nunca mais eu lembraria quem fui. Uma parte de mim morreu.

Explicando.

Perdi todos os meus textos em Word e Notepad que tinha deixado com uma amiga. Deixei meu backup no pc dela mas acabou pegando vírus. Ela formatou e tudo o que eu já tinha escrevido, desde que ganhei meu primeiro computador, perdi. Não preciso explicar que fiquei amortecido com a notícia. Como se estivesse dopado. Depois uma onda de tristeza me atingiu. Preciso explicar? Acho que sim.

Acontece que é a minha história. Toda ela. Tudo o que eu fui e onde estou era explicado ali. Tinham textos meus, de amigos, poesias, poemas, entrevistas, declarações de amor, cifras, letras de músicas, letras de músicas minhas, piadas, pensamentos, divagações, idéias, tudo. TUDO! Tudo mesmo. Uma tristeza gigantesca me afligiu e eu comecei a chorar pensando em tudo o que perdi. Minha história. Minha vida.

Aos poucos fui me recompondo. Uma amiga disse "você escreve de novo, e melhor". Isso me causou uma ira violenta. Me controlei pra não perder a compostura com ela. A bloqueei no messenger e pensei o que poderia fazer por mim. Textos novos? Melhores? A questão não era essa. É como dizer "Ah, perdemos a declaração da independência mas vamos fazer uma melhor em A4.". Ou então "Os primeiros mapas de cartografia da história foram destruídos, mas sem problemas. Tá tudo aqui na memória". Mas que consolo estúpido esse não? Minha história é minha história. Não que eu não possa fazer outra, mas o que passou passou e não vai passar mais. Havia sentimento naqueles textos. Vírgulas, pontos, margens que eu possa esquecer vão mudar todo o contexto. E só o fato de escrever tudo de novo já é uma coisa sem sentido. É impossível se fazer uma coisa dessas. Ela não entende?

Não, ela não entende. Talvez você entenda. Minha vida é minha vida. Meus textos fazem parte dela. Minhas fotos, minhas músicas, meus vídeos (muitos que perdi nesse backup também). Tudo o que tenho nesse computador, nas caixas no meu armário, em cadernos antigos, em cds guardados, tudo faz parte da minha história. É como se eu perdesse um dedo e me dissessem "ei po, tu ainda tem 19". Não não, acho que a falta é ainda maior.

Bom, eu consegui achar um backup mais antigo do que esse onde alguns dos meus textos estavam guardados. Não os mais importantes, (esse meu último ano foi o mais importante da minha vida até esse momento) mas pelo menos tinham alguns. Estou aqui aceitando aos poucos que a vida é essa mesma. O lance é não largar mais o que é meu. Não que eu ache que foi culpa dessa amiga que pegou o vírus. Claro que não. Mas eu não posso mais confiar nas circunstâncias desse jeito. Tenho que guardar o que é meu comigo.

Dá pra ver que ainda não está sendo fácil pra mim não? Espero que nunca dê uma pane no meu blog, pois ficaria do mesmo jeito se descobrisse que todos os meus textos aqui sumiram.

2 comentários:

*anjinha* disse...

Não vou lhe dizer q sei oq vc está sentindo e nem que entendo perfeitamente a situação... Deve ser muito difícil, pelo jeito q vc falou sobre isso... =/
Deu p/ entender que seus textos, poesias, etc; eram muito importantes e que lhe fazem falta... Não sei oq dizer =/
bjus, obrigada pela visita e os comentários no blog... =)
até!!!

Nita disse...

Nunca tive paciência pra diários, fotos e afins mas tive um caderno escrevia quando eu tinha vontade, tava comigo a uns três anos acho que tudo de mais importante pra mim estava ali até pq como eu disse eu realmente só escrevia tudo que era realmente importante pq não tinha mta paciência resumindo fiz uma viagem pra são paulo e perdi o caderno que tava na minha bolsa deixei numa parada da estrada e só me dei conta uma semana depois quando eu fui escrever !

Eu chorei..chorei como nuna tinha chorado era como se part d mim tivesse me sentia comose eu tivesse perdido tudo que eu tinha de mais valor ! De uma hora pra outra minha história sumiu !

Como vc disse não dá pra escrever denovo mto menos coisas melhores comoalguns me falaram ! Passei mto tempomesmo sem escrever cada vez que eu tocava no papel ficava triste...

Até que eu escrevi uma poesia "Verson de quem perdeu sua história" não foi como ter meu caderno devolta mas me conformou ...

é só isso ...