domingo, 2 de novembro de 2008

Já li esses livros - parte 1

De Agatha Christie

  • É Fácil Matar

“O jovem policial Luke Fitzwilliam não acredita quando a velha senhora que se senta ao seu lado no trem para Londres lhe garante que uma série de assassinatos está em curso na sua cidade natal, a pequena e pacata Wychwood-under-Ashe. Ele não lhe dá ouvidos mesmo quando ela afirma que a próxima vitima será o médico local. Mas o comportamento de Luke muda quando, horas depois, a imaginativa velhinha e morta num atropelamento -e mais ainda quando fica sabendo da inesperada morte do dr. Humbleby.”

É um bom livro, mas altamente previsível. Não me parece o melhor trabalho de Agatha Christie.

De André Vianco

  • Bento

“Uma noite começada como outra qualquer entra para a historia da humanidade quando metade dos seres humanos adormece de forma inexplicável. Tratada como uma epidemia, a doença desencadeia um caos sem precedentes nas cidades do mundo.O pesadelo parece não ter fim quando os humanos, livres do sono, descobrem que estão dividindo a noite com demônios da escuridão.

Este novo mundo, sombrio e tenebroso, é apresentado pelos olhos de Lucas, um homem que desperta neste tenebroso cenário e que se tornará, mesmo contra sua vontade, um poderoso e venerado guerreiro, lutando contra os vampiros e liderando os humanos ao encontro dos quatro milagres que libertarão a Terra desta terrível maldição”.

Um livro que adorei ler. Maravilhoso. Uma trama envolvente que captura totalmente a atenção. André Vianco conquistou mais um fã com essa obra.

  • Os Sete

“Uma caravela portuguesa naufragada há cinco séculos é descoberta no litoral brasileiro. Dentro dela, sete cadáveres aprisionados em uma caixa de prata, acusados, na época, de bruxaria. Universitários irão estudar os cadáveres, que estão em perfeito estado de conservação… Será que estão mesmo mortos?”

Mais uma obra escrita com maestria. Também a primeira pedida de uma séria que vem mais tarde. O Turno Da Noite

De Antoine de Saint-Exupéry

  • O Pequeno Príncipe

“Em narrativa poética, o autor vai elaborando sua visão de mundo e mergulha no próprio inconsciente, reencontrando a criança de cada um de nós.”

Antoine conta de uma forma linda o encontro de um piloto, perdido no deserto, com um menino que se diz vindo de um pequeno asteróide onde uma Rosa o aguarda.

É de uma beleza inimaginável. Toca realmente o coração de qualquer pessoa minimamente sensível. Como todo o artista eu sou um desses. ;)

De Dan Brown

  • Anjos e Demônios

“Às vésperas do conclave que vai eleger o novo Papa, Robert Langdon, o famoso professor de simbologia de Harvard, é chamado às pressas para analisar um misterioso símbolo marcado a fogo no peito de um físico assassinado. Ele descobre indícios de algo inimaginável: a assinatura macabra no corpo da vítima é dos Illuminati, uma poderosa fraternidade considerada extinta há quatrocentos anos. A antiga sociedade ressurgiu disposta a levar a cabo a lendária vingança contra a Igreja Católica, seu inimigo mais odiado. De posse de uma nova arma devastadora, roubada do centro de pesquisas, ela ameaça explodir a Cidade do Vaticano e matar os quatro cardeais mais cotados para a sucessão papal. Correndo contra o tempo, Langdon voa para Roma junto com Vittoria Vetra, uma bela cientista italiana. Numa caçada frenética por criptas, igrejas e catedrais, os dois desvendam enigmas e seguem uma trilha que pode levar ao covil dos Illuminati - um refúgio secreto onde está a única esperança de salvação da Igreja nesta guerra entre ciência e religião.”

  • Fortaleza Digital

“Quando o supercomputador da NSA, até então considerado uma arma invencível para decodificar mensagens terroristas transmitidas pela Internet, se depara com um novo código que não pode ser quebrado, a agência recorre à sua mais brilhante criptógrafa, a bela matemática Susan Fletcher.

Presa numa teia de segredos e mentiras, sem saber em quem confiar, Susan precisa encontrar a chave do engenhoso código para evitar o maior desastre da história da inteligência americana e para salvar a sua vida e a do homem que ama.

Uma corrida desesperada se desenrola paralelamente nos corredores do submundo do poder, nos arranha-céus de Tóquio e nas ruas de Sevilha. É uma batalha de vida ou morte que pode mudar para sempre o equilíbrio de forças no mundo.”

Um livro muito bom. Esse e Anjos e Demônios são os melhores do Dan Brown que já li.

  • O Código Da Vinci

“Que mistério se esconde por trás do sorriso de Mona Lisa? Sofia e Roberto Langdon partirão em busca do segredo, que pode acabar destruindo todas as bases do cristianismo, decifrando mensagens ocultas nos mais famosos quadros do genial pintor Da Vinci e nas paredes das antigas catedrais. Um quebra-cabeças que poderá ser solucionado, já que não estão sozinhos no jogo: uma poderosa e influente organização católica está disposta a utilizar todos os meios para evitar que o segredo seja divulgado. Um apaixonante jogo de chaves escondidas, revelações surpreendentes, enigmas complicados, verdades, mentiras, realidades históricas, mitos, símbolos, ritos, mistérios e suposições em uma trama cheia de reviravoltas inesperadas narrada com um ritmo incessante que conduz o leitor ao segredo mais cuidadosamente guardado desde o inicio da nossa era.”

Concerteza o que mais chamou a atenção nesse livro foi a polêmica em cima das alegações de Brown sobre a igreja católica e a fé cristã. Fora isso, em termos de trama, é um livro muito fraco. Pelo menos pra mim.

De Douglas Adams

  • O Guia do Mochileiro das Galáxias

“Este é o primeiro título da famosa série escrita por Douglas Adams, que conta as aventuras espaciais do inglês Arthur Dent e de seu amigo Ford Prefect. A dupla escapa da destruição da Terra pegando carona numa nave alienígena, graças aos conhecimentos de Prefect, um E.T. que vivia disfarçado de ator desempregado enquanto fazia pesquisa de campo para a nova edição do Guia do Mochileiro das Galáxias, o melhor guia de viagens interplanetário. Mestre da sátira, Douglas Adams cria personagens inesquecíveis e situações mirabolantes para debochar da burocracia, dos políticos, da “alta cultura” e de diversas instituições atuais. Seu livro, que trata em última instância da busca do sentido da vida, não só diverte como também faz pensar.”

Na introdução do livro você já morre de rir. É um humor seco, inteligente e perspicaz. O típico humor inglês. Adoro.

  • O Restaurante No Fim Do Universo

“O que você pretende fazer quando chegar ao Restaurante do Fim do Universo? Devorar o suculento bife de um boi que se oferece como jantar ou apenas se embriagar com a poderosa Dinamite Pangaláctica, assistindo de camarote ao momento em que tudo se acaba numa explosão fatal? A continuação das incríveis aventuras de Arthur Dent e seus quatro amigos através da galáxia começa a bordo da nave Coração de Ouro, rumo ao restaurante mais próximo. Mal sabem eles que farão uma viagem no tempo, cujo desfecho será simplesmente incrível. O segundo livro da série de Douglas Adams, que começou com o surpreendente O guia do mochileiro das galáxias, mostra os cinco amigos vivendo as mais inesperadas confusões numa história cheia de sátira, ironia e bom humor.”

Outra maravilhosa obra de Adams. Vou parar de comentar porque cada um é melhor que outro. ;)

  • A Vida, O Universo E Tudo Mais

“Após as loucas aventuras vividas com seus estranhos amigos em O Guia do Mochileiro das Galáxias e O Restaurante no Fim do Universo, Arthur Dent ficou cinco anos abandonado na Terra Pré-Histórica. Mesmo depois de tanto tempo, ele ainda acordava todas as manhãs com um grito de horror por estar preso àquela monótona e assustadora rotina. Talvez Arthur até preferisse continuar isolado em sua caverna escura, úmida e fedorenta a encarar a próxima aventura para a qual seria forçosamente arrastado: salvar o Universo dos temíveis robôs xenófobos do planeta Krikkit.”

  • Até Mais, E Obrigado Pelos Peixes

“Depois de viajar pelo Universo, ver o aniquilamento da Terra, participar de guerras interestelares e conhecer as mais extraordinárias criaturas, Arthur está de volta ao seu planeta. Tudo parece igual, mas ele descobre que algo muito estranho aconteceu na sua ausência. Curioso com o fato e apaixonado por uma garota tão estranha quanto o que quer que tenha acontecido, ele parte em busca de uma explicação.”

  • Praticamente Inofensiva

“Praticamente Inofensiva é tão polêmico quanto seu criador. Muitos o consideram o último volume da série O Mochileiro das Galáxias e outros afirmam tratar-se de um título independente, que apenas utiliza os mesmos personagens. Parte dessa controvérsia se deve aos 13 anos que separam este livro da primeira aventura de Arthur Dent, já que Adams iniciou a coleção no final dos anos 1970 e somente em 1992 retomou a história.

Situações hilárias, personagens imprevisíveis, descrições poéticas e paisagens surrealistas se mesclam com perfeição, resultando numa trama cheia de suspense, comédia e filosofia. Depois de muitos anos, Arthur Dent, Tricia McMillan e Ford Prefect se reencontram. Mas o que deveria ser uma festejada reunião de velhos amigos se transforma numa terrível confusão que põe em risco a vida de todos.

Praticamente Inofensiva é o toque final de Adams nessa divertida história.”

De Frank E. Peretti

  • Este Mundo Tenebroso

“Ashton é uma pequena e típica cidade americana. Mas quando um cético repórter e um pastor dedicado à oração começaram a comparar fatos, eles se viram lutando contra um terrível complô na Nova Era para subjugar a população local e, eventualmente, toda a raça humana.”

Um dos primeiros romances que li, e de onde surgiu meu gosto pela leitura.

De Jeffery Deaver

  • Dança Com A Morte

“Lincoln Rhyme, o melhor criminalista de Nova York, está no encalço de um sinistro matador de aluguel, que não hesitará em eliminar friamente qualquer um que se puser em seu caminho. Conhecido como o Dançarino da Morte, ele veio à cidade para executar um serviço sujo. Aliás, três. Três assassinatos.

Não há tempo a perder. Correndo contra o relógio, Lincoln e sua equipe só tem certeza de uma coisa: o Dançarino vai atacar de novo.”

Esse é o livro que sucede O Colecionador De Ossos, famoso pela sua transposição ao cinema. Dança com a morte apresenta todo o talento de Deaver ao escrever histórias policiais. Logo nos primeiros parágrafos o leitor já estanca com a trama forte.

De Joe Hill

  • A Estrada Da Noite

“Uma lenda do rock pesado, o cinqüentão Judas Coyne coleciona objetos macabros: um livro de receitas para canibais, uma confissão de uma bruxa de 300 anos atrás, um laço usado num enforcamento, uma fita com cenas reais de assassinato. Por isso, quando fica sabendo de um estranho leilão na internet, ele não pensa duas vezes antes de fazer uma oferta.

‘Vou ´vender´ o fantasma do meu padrasto pelo lance mais alto…’

Por 1.000 dólares, o roqueiro se torna o feliz proprietário do paletó de um morto, supostamente assombrado pelo espírito do antigo dono. Sempre às voltas com seus próprios fantasmas - o pai violento, as mulheres que usou e descartou, os colegas de banda que traiu -, Jude não tem medo de encarar mais um.

Mas tudo muda quando o paletó finalmente é entregue na sua casa, numa caixa preta em forma de coração. Desta vez, não se trata de uma curiosidade inofensiva nem de um fantasma imaginário. Sua presença é real e ameaçadora.

O espírito parece estar em todos os lugares, à espreita, balançando na mão cadavérica uma lâmina reluzente - verdadeira sentença de morte. O roqueiro logo descobre que o fantasma não entrou na sua vida por acaso e só sairá dela depois de se vingar. O morto é Craddock McDermott, o padrasto de uma fã que cometeu suicídio depois de ser abandonada por Jude.

Numa corrida desesperada para salvar sua vida, Jude faz as malas e cai na estrada com sua jovem namorada gótica. Durante a perseguição implacável do fantasma, o astro do rock é obrigado a enfrentar seu passado em busca de uma saída para o futuro. As verdadeiras motivações de vivos e mortos vão se revelando pouco a pouco em A estrada da noite - e nada é exatamente o que parece.
Ancorando o sobrenatural na realidade psicológica de personagens complexos e verossímeis, Joe Hill consegue um feito raro: em seu romance de estréia, já é considerado um novo mestre do suspense e do terror.”

É um livro bem interessante e chama a atenção. Não é o melhor nem o pior que eu li, então está bom. 7,5 pra ele.

De John Grisham

  • O Testamento

“As habituais disputas legais e a trama envolvente de Grisham tem como pano de fundo as paisagens - naturais e espirituais - do Pantanal brasileiro. Onde está a mulher para quem um bilionário deixa sua herança, contrariando seus ambiciosos herdeiros legítimos.”

É um livro muito legal, embora seja de John Grisham - eu não consigo gostar de um escritor que escrever livros com títulos como O Testamento, O Cliente, O Dossiê Pelicano, A Firma, O Corretor, O Inocente, O Advogado, A Confraria, A Intimação, O, O, O, A, A, A, O,… Me parece uma falta de criatividade tamanha.

De José De Alencar

  • O Guarani

A obra pode ser separada em três momentos. No primeiro há a instalação da fazenda de D. Antonio de Mariz, fidalgo português e fiel ao projeto colonizador da coroa portuguesa. No segundo há o ataque dos índios Aimorés e o terceiro é marcado pelo romance entre o índio Aimoré Peri e a filha de D. Antonio, Ceci.

Um livro que li no colégio pra uma apresentação em seminário. Confesso que não gosto muito desses romances brasileiros, mas esse me chamou muito a atenção. Adorei de verdade. Foi uma leitura muito boa e uma apresentação melhor ainda.

De Jostein Gaarder

  • O Mundo De Sofia

“Às vésperas de seu aniversário de quinze anos, Sofia Amundsen começa a receber bilhetes e cartões postais bastante estranhos. Os bilhetes são anônimos e perguntam a Sofia quem é ela e de onde vem o mundo em que vivemos. Os postais foram mandados do Líbano, por um major desconhecido, para uma tal de Hilde Knag, jovem que Sofia igualmente desconhece.

O mistério dos bilhetes e dos postais é o ponto de partida deste fascinante romance, que vem conquistando milhões de leitores em todos os países em que foi lançado. De capítulo em capítulo, de “lição” em “lição”, o leitor é convidado a trilhar toda a história da filosofia ocidental - dos pré-socráticos aos pós-modernos -, ao mesmo tempo em que se vê envolvido por um intrigante thriller que toma um rumo surpreendente.”

O livro que posso chamar de muito louco. Mas também muito bem escrito, com uma trama bem elabora e que nos cativa e nos arremessa ao maravilhoso mundo da filosofia. Bom, eu gosto pelo menos. Deu até vontade de ler de novo. ^^

De Luiz Fernando Veríssimo

  • O Melhor Das Comédias Da Vida Privada

“Verissimo sabe como ninguém transformar em riso as sutis tiranias, as infidelidades, as paixões fulminantes, os ódios mortais. Em O Melhor das Comédias da Vida Privada o escritor gaúcho escolheu suas histórias preferidas do livro que se tornou um clássico do humor brasileiro nos anos 90, numa seleção imperdível que inclui 35 novas crônicas, inéditas em livro. Da crítica política, passando pela comédia de costumes, até a radiografia dos relacionamentos amorosos, este volume reúne histórias engraçadas, delicadas e confessionais que revelam nossas pequenas e grandes tragédias cotidianas. Os amigos do penúltimo chope, a casa na serra, o lixo da vizinha, praia, férias. Um delicioso retrato da grande família brasileira, de sunga, pijama ou smoking, na corda bamba de todo dia. Aqui estão personagens que já se tornaram antológicos, como o marido do Dr. Pompeu, o Mendocinha, a mulher do Silva, as noivas do Grajaú, a Regininha. Com vivacidade e ironia, Verissimo decifra nossas comédias privadas, percorrendo o território lúbrico e impreciso da classe média, lugar de desejos bizarros e secretos.”

Morri de rir lendo. O senhor Veríssimo é de uma maestria gigantesca.

De Orson Scott Card

  • O Jogo Do Exterminador

“No romance, Ender Wiggin é uma criança de seis anos de idade, quando é recrutado para a Escola de Combate Espacial. No futuro criado por Orson Scott Card, a humanidade está em guerra com alienígenas invasores, e muitos dos combates são travados em outros sistemas solares, distantes do nosso. Como não existe uma tecnologia de vôo mais rápido que a luz, nessa ficção científica, os muito jovens são recrutados porque eles estarão maduros quando estiveram em batalha ou quando retornarem à Terra. Usar crianças-soldados como personagens também foi um modo do autor afirmar que toda guerra é um processo de destruição da inocência.”

Um livro que simplesmente adorei. Poucas vezes me prendi tanto a um livro como aconteceu com O Jogo Do Exterminador. Todo o drama vivido por Ender chega a se tornar palpável para o mais sensível leitor. Um livro mais do que recomendado aos fãs de ficção e de grandes histórias.

2 comentários:

*anjinha* disse...

Boa leitura!
Bjus... =]

Anônimo disse...

A propósito de Agatha Christie, convido você e a todos para conhecerem dois blogs recém-lançados...

A Casa Torta: O Mundo de Agatha Christie
http://acasatorta.wordpress.com

Cinema é Magia
http://cinemagia.wordpress.com

Um abraço.